Bitcoin pode ir a zero?

O Bitcoin (BTC) passou por uma tendência de alta em pouco mais de uma década, mesmo depois de anos desde a sua criação, subindo de zero a quase US$ 40 mil.

Apesar da sua trajetória de sucesso, hoje, a criptomoeda é negociada por pouco mais que a metade de seu máximo histórico.

E de lá pra cá, a BTC se tornou uma das maiores criptomoedas do mundo, e um dos ativos financeiros mais lucrativos da década.

Mas, embora ele tenha bons índices no mercado, há muitas pessoas contrárias em relação ao seu desenvolvimento a longo prazo – tais como Warren Buffet, um dos maiores investidores do mundo, ou mesmo Calvin Ayre.

Por isso, será que algum dia o Bitcoin pode ir realmente a zero? É essa pergunta que te responderemos ao longo do texto. Portanto, continue lendo!

Preço do bitcoin pode chegar a zero

Bitcoin a Zero: é Possível?

De acordo com o relatório ‘Riscos e Retornos das Criptomoedas’, publicado por dois economistas da Yale University, em Connecticut nos EUA, os autores abriram uma discussão sobre a possibilidade do Bitcoin chegar a zero em uma período de um dia.

Segundo os economistas Yukun Liu e Aleh Tsyvinski, a chances de um evento levar o preço do Bitcoin a zero varia entre 0% a 1,3%.

Estas informações foram obtidas através de dados sobre os retornos históricos do Bitcoin e também da criptomoeda Chiliz (CHZ) e, para se ter uma ideia do que este resultado significa, você pode pensar nisso como o Euro (EUR) que tem apenas 0,009% de chances de ocorrer – segundo os Tsyvinsky, em uma entrevista para YaleNews.

Um pouco mais adiante, algumas pessoas especulam que a moeda pode acabar indo a zero devido a sua carência de valor intrínseco, isto é, o seu valor real no mercado.

Mas, apesar do BTC ser um ativo sem valor intrínseco, ele ainda é apoiado pelo sentimento de confiança dos seus investidores e por seus cálculos matemáticos.

Você pode imaginar isso como as moedas fiduciárias, tais como o Dólar (USD) ou a Libra Esterlina (GBP) que já tiveram seus momentos lastreadas ao ouro – que neste caso, tem valor intrínseco –, mas que agora são atreladas à fé no governo.

Cenários de Hipotéticos para o Bitcoin ir a Zero

De forma geral, existem dois cenários que podem ameaçar a vida útil do Bitcoin, que são elas:

  • Restrições estatais impostas por governos;
  • Substituição da criptomoeda, por uma igual ou melhor que ela.

Mas, o que isso significa de fato? Abaixo, explicamos um pouco mais sobre estes dois cenários.

Em um cenário hipotético, caso o Bitcoin venha cair a zero, seria completamente impossível realizar negociações ou mesmo trocar esta moeda por bens ou serviços.

De uma forma geral, isso só poderia acontecer caso diversos países pelo mundo restringissem a sua operação, de forma a torná-lo ilegal para qualquer tipo de negociação.

Com os pés um pouco mais no chão, podemos evidenciar isso em países como a China, Turquia ou Nepal.

Essas restrições exigiriam também a quebra de todo o ecossistema da Bitcoin, uma vez que fosse necessário deixar todos os nodes offline, isto é, sem conexão, impossibilitando a criação de novos nós na rede.

Portanto, a menos que uma solução fosse considerada, uma simples transferência de Bitcoins se tornaria completamente impossível, além de impedir o mercado clandestino – e tornar a criptomoeda completamente desfavorável.

Uma outra possibilidade do Bitcoin chegar a zero, é quanto a hipótese da criptomoeda ser totalmente substituída por uma outra moeda digital, isto é, um criptoativo que seja tão similar ou melhor que ele.

No entanto, apesar deste cenário se tornar possível, essas movimentações levariam anos, ou até mesmo décadas até se concretizar.

Conclusão

Sendo otimista, é provável que, de alguma forma, o Bitcoin sempre possua algum valor no mercado – mesmo que não seja atrelado a um valor intrínseco –, uma vez que ele pode reter valor como item colecionável, ou mesmo como uma relíquia histórica passada de geração em geração.

E aí, o que achou desse conteúdo? Se quer receber mais atualizações direto da tela do seu computador ou celular, é só nos seguir nas redes sociais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *